A Oficina sobre Colheita e Pós-Colheita do Café foi realizada pela Cooperativa dos Produtores Orgânicos e Biodinâmicos da Chapada Diamantina (Cooperbio) e ocorreu no dia 02/06/2017 na Comunidade de Vereda Funda, Município de Rio Pardo de Minas, tendo início às 09:00 e término às 16:00 horas. Em parceria com o Centro de Agricultura Alternativa do Norte de Minas (CAA) e com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Rio Pardo de Minas a oficina teve como objetivos: i) apresentar a experiência da Cooperbio em acessar o mercado de cafés especiais no Brasil e no exterior; e ii) trocar experiências sobre colheita e pós-colheita de café com foco em cafés especiais.

A oficina começou com a apresentação de cada participante, que pôde expressar seu sentimento e sua expectativa sobre a oficina. Posteriormente, foi estabelecido um acordo de convivência com os horários previstos de almoço e término da oficina.

No segundo momento, nós da equipe da Cooperbio, Brígida Salgado – Diretora-Presidente – e Fábio Lúcio Martins Neto – Assessor Técnico -, diagnosticamos o nível de conhecimento dos agricultores participantes sobre os temas Café Especial e Colheita e Pós-Colheita do Café. Realizamos este diagnóstico de forma participativa através de uma tempestade de ideias coletadas entre os participantes. Registramos todas as ideias e conhecemos na teoria o modo de colheita e pós-colheita tradicionalmente realizado pelos participantes. Ao final desse momento, definiu-se um conceito de Café Especial e discutimos a importância de a agricultura familiar acessar este mercado.

No terceiro momento, alinhamos os saberes com uma exposição dinamizada e participativa sobre: a importância da colheita para a obtenção de um café de qualidade; o que faz um café ser especial; o que interfere negativamente na qualidade do café; a pré-colheita; ponto de colheita; a pré-limpeza; o acondicionamento; a lavagem e a separação do café; a secagem em terreiros; e a armazenagem.

Na parte da tarde, realizamos atividades práticas de: preparação para a colheita e verificação de utensílios, terreiros e depósitos; e determinação do grau de maturação para saber se está no ponto de iniciar a colheita; e pré-limpeza. Para essa determinação os participantes foram separados em dois grupos que colheram dois cafeeiros com frutos em diferentes graus de maturação. Os resultados verificados apontaram que ambas as plantas ainda não estavam com uma boa proporção de frutos maduros a serem colhidos e que era necessário esperar mais alguns dias para o início da colheita.

No segundo momento, os cafés colhidos foram lavados em lavador artesanal, facilmente confeccionado pelos agricultores familiares, e esparramados no terreiro. Posteriormente, demonstramos o método adequado de manejar o café no terreiro para que a secagem ocorra sem prejudicar a qualidade do café. Durante toda a atividade prática houve intensa participação e esclarecimento de dúvidas entre os participantes.

Ao final, nos reunimos em círculo e celebramos a oficina, checando com os participantes se as expectativas haviam sido atendidas e o sentimento de cada um naquele momento.

OFICINA SOBRE COLHEITA E PÓS-COLHEITA DO CAFÉ RIO PARDO DE MINAS, JUNHO DE 2017 PARCEIRA ENTRE COOPERBIO E CAA-NM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *